Skip to content
Human Risk

Alimentação: um setor crítico na mira do cibercrime

Muitas vezes esquecida quando o assunto é a proteção de infraestruturas críticas, a produção, a distribuição e a venda de alimentos é considerado um consumo não-cíclico — ou seja, constante, necessitando estar sempre em pleno funcionamento.

Alimentação: um setor crítico na mira do cibercrime
Ramon de Souza

Ramon de Souza

Journalist | Author | Speaker | Information Security Specialist | ANPPD® Member |

3 min de leitura 

Quando falamos sobre cibersegurança em infraestrutura crítica, é comum que as pessoas se lembrem de coisas como meios de transporte, geração e distribuição de energia, refinaria de óleo e assim por diante. Elas não estão erradas. Porém, a proteção de dados também precisa ser prioridade — inclusive quando falamos sobre conscientização em segurança — em um segmento que é esquecido, mas está sempre diante dos nossos olhos: a alimentação!

Antes de adentrar em segurança digital no setor de alimentos (e o porquê dele demandar cuidados específicos em relação ao varejo como um todo), é necessário entendermos os conceitos de consumo cíclico e não-cíclico. Resumidamente, são considerados itens de consumo cíclico aqueles produtos cuja demanda não é constante, podendo variar de acordo com o perfil do consumidor, flutuações no preço e até por sazonalidade. Geralmente, estamos falando de bens duráveis e que não são essenciais à sobrevivência.

Um aparelho celular, por exemplo, encaixa-se no consumo cíclico. Você o adquire quando pode, o utiliza pelo tempo que bem entender, compra outro somente quando enxerga necessidade e pode aguardar até a temporada de Black November para encontrar preços mais atraentes.

Por outro lado, itens de consumo não-cíclico são aqueles essenciais, cuja demanda independe de preço, disponibilidade ou sazonalidade. E é justamente aí que entram, como melhor exemplo possível, os alimentos. Ninguém deixa de comer, mesmo que o arroz e o feijão estejam com valores acima do normal. Além disso, são produtos com uma baixa durabilidade e alta rotatividade: o consumidor precisa comprá-los com frequência, independente de sua vontade ou condições financeiras atuais.


Segurança cibernética em todo o ciclo

Precisamos encarar o setor alimentício como algo à parte do varejo quando vamos falar sobre segurança da informação, visto que ele não se resume apenas à venda direta ao consumidor final. Temos um ciclo vasto composto por diversas etapas, incluindo:

  • Produção: aqui englobamos desde o agronegócio, que cuida da plantação e criação de animais que servirão de matéria prima para os alimentos comercializados ao consumidor final;
  • Refinamento: podemos dizer que são “refinarias” as empresas que utilizam a matéria prima citada anteriormente para produzir alimentos específicos, como leite, hambúrgueres, refrigerantes, sucos, cervejas etc.;
  • Venda: finalmente, temos a etapa da venda. Porém, ela nem sempre é realizada para o consumidor final. No setor alimentício, é comum a venda em atacado, para comércios que utilizarão os produtos para elaborar receitas específicas;
  • Consumo: a última etapa possível do ciclo. É o prato que comemos no restaurante, o lanche da lanchonete, o sorvete da sorveteria, o drinque do bar e assim por diante. O mesmo alimento, porém servido para — geralmente — consumo imediato.

Já parou para pensar o quão grande é o caminho que alguma comida percorre até que você possa degustá-la — e os desafios de proteger cada uma dessas etapas contra o cibercrime?


Etapas distintas, preocupações distintas

Como você deve imaginar, cada empresa pertencente a uma das etapas desse enorme ciclo possui prioridades específicas em segurança da informação. Os produtores, por exemplo, precisam garantir a disponibilidade dos sistemas de tecnologia da informação (TI) usados em sua infraestrutura, evitando uma desastrosa escassez de matéria prima que alimentará o restante da cadeia de suprimentos.

No refinamento, máquinas automatizadas costumam ser usadas e todo cuidado é pouco com invasões criminosas a tais aparatos, visto que eles podem ser sabotados por atacantes. Tanto o varejo quanto o atacado também se preocupam com a disponibilidade (especialmente aqueles que vendem online), mas também têm pesadelos com a confidencialidade dos dados pessoais e dos dados sensíveis de seus clientes.

O que não diferencia em nenhuma etapa deste enorme ciclo é a importância do human risk management — ou seja, a gestão do risco humano. As pessoas envolvidas precisam passar por treinamentos em segurança da informação para entender as ameaças e ajudar as empresas a se proteger. Nisto, a Eskive se posiciona como uma solução 100% brasileira e pioneira, que não onera a sua equipe, fornece jornadas educacionais automatizadas e facilita a defesa de investimentos perante a alta diretoria.

Converse conosco e entenda como podemos fazer parte de sua estratégia de cibersegurança!


 

Últimos artigos

Setor financeiro: cresce pressão por maior segurança cibernética

Setor financeiro: cresce pressão por maior segurança cibernética

Aumento no número de fraudes no setor bancário vem acompanhado de incidentes cibernéticos preocupantes e um “pente fino” aplicado pelo Banc...

Dia Mundial do Backup 2024: proteja as suas informações!

Dia Mundial do Backup 2024: proteja as suas informações!

Neste dia 31 de março, comemore a Páscoa, mas não se esqueça de criar cópias de segurança de suas informações! Saiba mais sobre a data e a ...

Eskive e FIEMG Lab: definindo o futuro da cibersegurança nas indústrias

Eskive e FIEMG Lab: definindo o futuro da cibersegurança nas indústrias

Pioneira em human risk reduction e programas de conscientização, nossa plataforma foi selecionada para participar do segundo ciclo da quint...