Conscientização

Plano de Continuidade de Negócios: Como o Programa de Conscientização ajuda em uma resposta mais rápida

Entenda como o plano de continuidade de negócios pode te ajudar a obter respostas mais rápidas com o programa de conscientização! Clique e saiba mais.

Priscila Meyer

Priscila Meyer

Priscila Meyer

De acordo com a ISO 22301, o plano de continuidade de negócios é definido como “procedimentos documentados que orientam as organizações a responder, recuperar, retomar e restaurar a um nível predefinido de operação após uma interrupção''.

Além disso, essa estratégia possui um processo complexo em seu desenvolvimento. Essa envolve a realização de uma análise de impacto nos negócios (BIA) e análise de risco. Bem como, o desenvolvimento de planos, testes e treinamentos. 

Plano de Continuidade de Negócios

Uma das primeiras etapas para estabelecer um efetivo programa de continuidade de negócios, é definir e avaliar as principais funções e responsabilidades. A adoção de tal estratégia requer gestão de alto nível hierárquico para decidir quais funções são essenciais, e alocar o orçamento disponível de acordo. 

O êxito de um plano de continuidade, ao contrário do que pensam, começa com a responsabilização de quem norteia a cultura, missão e os valores da organização. Isso envolve as definições de estratégia de negócio, além do ajuste e uso de um tom transmitido à totalidade da organização e por ela assimilado.

Dessa forma, a totalidade do programa abrangerá, inclusive, táticas de resposta às crises e medidas que ofereçam condições de os negócios continuarem operacionais. Mesmo em um cenário desfavorável, é possível mitigar os danos e prejuízos.

Por isso, crie em sua empresa uma ação informativa sobre os planos de continuidade de negócios, mesmo que muitos ainda achem que isso é exclusivo da área de T.I. Especialmente quando se trata de cibersegurança. 

Uma das transformações que a tecnologia vem perpetrando é o deslocamento da importância dos dados e da informação para o centro do debate. Funções, análises, indicadores, negociações, planos, estratégias, campanhas, tudo girando em torno de métricas geradas a partir da análise da informação.

Com tamanho ganho de importância ao longo dos anos, sendo a informação tão fundamental à execução de tarefas e negócios, é imprescindível implementar a conscientização que trará ao conhecimento de todos os envolvidos o impacto de suas ações frente aos perigos mais atuais. Assim, o entendimento, tanto de que ameaças que estão longe de desaparecer, quanto a certeza da iminência de um incidente, é essencial para melhorar a forma de lidar e gerenciar cenários de riscos e crises.

O papel do Conselho

Primeiramente, é vital que o Conselho compreenda a importância de os pilares organizacionais terem em sua constituição, o cuidado com a cibersegurança. Sem contar seu emprego nas estruturas e nos processos. Ou seja, será sua atribuição definir o grau de disposição que a organização apresentará frente às ameaças e aos riscos. Bem como, sua capacidade de lidar com crises e delas se recuperar.

Aliás, é preciso que o Conselho pratique e incentive, para a garantia desses aspectos. Este que deverá, também, executar incessante supervisão e escrutínio do programa de conscientização por meio de auditoria e risco.

A extrapolação da cibersegurança a todos os setores, é exigência básica para a atuação das organizações hoje em dia. A eficiência de seu comportamento frente às adversidades cibernéticas, envolve coordenação ampla e minuciosa para agir em consonância com as particularidades dos setores.

Uma supervisão constante traz consciência sobre os possíveis impactos que o plano de continuidade poderá acarretar ao cumprimento das obrigações contratuais. Assim, análises antecipadas têm mais chances de indicar quais áreas e processos precisam de prioridade. Projetando, tanto os impactos de interrupções, quanto de mitigar exposições.

Programa de conscientização

O programa de conscientização e o plano de continuidade incluem, além do citado acima, a forma de realizar a comunicação da organização. Quando não em cenário de crise, reforçando políticas e boas práticas, reportando alertas e divulgando relatório de ocorrências.

Se possuir adversidades, sua origem, seu potencial e sua gravidade determinarão se o Conselho lidera as comunicações feitas, seu tom, tipo e em quais canais. Contudo, é importante entrar em contato com todas as partes que sentiram o impacto. Escalando até autoridades governamentais, se necessário.

Dominós caindo de um lado com uma mão protegendo os demais.

Dominós caindo de um lado com uma mão protegendo os demais.


Solicite o contato de um de nossos especialistas e entenda melhor como o Programa de Conscientização pode ajudar no Plano de Continuidade.


Além disso, cabe ao conselho definir os membros de um Comitê Diretivo de Continuidade de Negócios formado por uma equipe interdisciplinar. Assim garantindo, que o programa de continuidade de negócios esteja alinhado à estratégia e aos objetivos corporativos. Além de estar amadurecendo e avançando em direção às metas anuais.

Agir com proatividade consistente e assertiva, pode render ao Conselho muito mais do que ser exemplo, garante também, o protagonismo de sua posição. Dessa forma, a organização não fica lembrada apenas por sua ineficiência ante crises. Mas, também, pela qualidade de sua resposta, capacidade de manter-se em operação e agilidade em recuperar-se.

A responsabilidade de gestores

As áreas de negócio devem assumir a função de desenhar e implementar estruturas que controlam suas operações em direção ao cumprimento dos objetivos estipulados no plano de continuidade de negócios. Gestores devem garantir, por meio de verificações, a execução do que estipularam no cumprimento de manter suas operações críticas em caso de paralisação.  

Testagens regulares de segurança em diferentes cenários, além de elevar a percepção acerca das deficiências de cada setor, permitem a promoção de constante atualização e fortalecimento de medidas que visam a pronta resposta ao acontecimento de uma crise. Além da rápida mitigação de seus impactos e a breve recuperação da organização, tal qual a totalidade de suas operações e sistemas. Quando o assunto é sobre a dinâmica evolução tecnológica e de seu consequente uso para fins escusos, ou seja, considerando o constante desenvolvimento de novas ameaças e formas de fazê-las efetivas, é crucial a manutenção de atuação próxima e alinhada de gestores, tanto com os setores, quanto reportando de volta ao Comitê de Continuidade de Negócios.

A responsabilidade de partes envolvidas

As testagens envolvem treinamentos e seus conteúdos são guiados pelas determinações e políticas incluídas no plano de continuidade de negócios. Garantir que o tom desse plano, em consonância com a cultura organizacional, esteja sintonizado à realidade e responsabilidade de cada envolvido, a fim de ser dada a resposta mais rápida e efetiva às crises, é vital. O plano deve incluir aspectos que promovam o bem-estar, a segurança e a privacidade dos funcionários.

Os esforços e considerações sobre as diversas características do fator humano, as fragilidades e potencialidades, devem ser mostrados. Pois, são essenciais para fortalecer o tipo de solução prestada aos cenários adversos. O plano, ainda deve oferecer condições e ferramentas para o enfrentamento de possíveis desafios operacionais, dedicando-se às particularidades de cada setor e tarefa.

Durante a vigência do plano de continuidade, deve ser de conhecimento geral diversas informações. Sendo algumas delas: as atividades mantidas e afetadas, treinamento adicional, como serão implementados os sistemas alternativos de processamento etc.

A diversidade presente nas organizações, tanto de pessoal quanto de tarefas, impõe o cuidado estabelecido de programas abrangentes que articulem ambos, o coletivo e o individual, em sintonia integrada à cultura organizacional. Alinhar Conselho, gestão, funcionários e demais envolvidos, é a chave que determina o tipo de resposta dada à manifestação de cenários de crise, em que adversidades imperam. A conscientização é, não só o fundamento que nos permite evitar ameaças e crises, ela dedica-se, também, à rápida resposta que visará mitigar danos e possíveis prejuízos, sejam eles financeiros ou intelectuais.

Quer saber mais sobre assuntos como este e garantir a segurança de sua empresa? Acesse o nosso blog ou entre em contato com a nossa equipe!

Últimos artigos

Semana da Segurança da Informação Eskive

Semana da Segurança da Informação Eskive

A importância das ações de impacto para engajar e conscientizar os usuários.

Sobrevoo: conexões entre o Normativo SARB 025/2021 da Febraban e a LGPD.

Sobrevoo: conexões entre o Normativo SARB 025/2021 da Febraban e a LGPD.

Sobrevoo: conexões entre o Normativo SARB 025/2021 da Febraban e a LGPD.

Como os profissionais de cibersegurança lidam com a pressão cotidiana

Como os profissionais de cibersegurança lidam com a pressão cotidiana

O alto volume de alertas de ameaças afeta o desempenho e a saúde mental de equipes de segurança cibernética